Os cinco momentos mais marcantes do SWU 2011

Neste ano, o Black Eyed Peas transformou o SWU Music & Arts Festival em uma enorme pista de dança, o vocalista do Duran Duran, Simon Le Bon, foi para a plateia e pediu ajuda de um fã numa canção e o Lynyrd Skynyrd emocionou todo o festival com “Freebird”. Esses foram apenas alguns dos muitos momentos inesquecíveis que o SWU proporcionou em 2011.

Pensando nisso, o Portal SWU selecionou os cinco momentos mais marcantes de todo o festival. Se você não concorda, diga para a gente, nos comentários, qual a sua melhor lembrança do SWU 2011!

Aniversário do Neil Young no SWU – Além de abrir o II Fórum Global de Sustentabilidade, Neil Young comemorou seus 66 anos de vida no SWU. Ao subir ao palco do Theatro Municipal de Paulínia, o músico foi recebido com flores e um “Happy Birthday to You” cantado por toda a plateia. A homenagem ficou completa com o Projeto Guri tocando “Hey, Hey, My, My (Into the Black)”, sucesso de 1979.

Público aplaude de pé Rigoberta Menchú – Em sua fala, a Nobel da Paz Rigoberta Menchú lembrou a infância difícil, a tortura dos pais e os direitos dos povos indígenas. O discurso emocionante de Rigoberta comoveu o público durante o II Fórum e algumas pessoas não conseguiram conter as lágrimas. Ao final, todo o público se levantou e aplaudiu de pé, por alguns minutos, a ativista guatemalteca.

Heineken Greenspace cheia o dia todo – Engana-se quem acha que a “balada” do SWU só encheu de madrugada, depois que os shows nos palcos principais já haviam terminado. A Heineken Greenspace – em local privilegiado, perto da entrada do festival – foi destaque no SWU 2011, com um line-up repleto de nomes importantes na cena e lotou não só de noite, mas também durante o dia! Ponto para o nosso espaço eletrônico!

Público no clima de “Easy Rider” no show do Lynyrd Skynyrd – Lembra do road movie Easy Rider, de 1969, e da dupla formada pelos atores Peter Fonda e Dennis Hopper? Pois esse era o clima no dia do show dos sulistas Lynyrd Skynyrd – várias gerações de fãs vestidos com jaquetas e calças de couro, carregando a bandeira confederada (um símbolo da banda) nas costas e exibindo cabelos compridos. Uma volta aos anos 70 para quem viveu e também para quem nem era nascido nessa época.

Mike Patton recitando poema em português – O show do Faith No More teve cuspe, caipirinha, pai de santo, coral de criança e teve também Mike Patton leu, em português, versos de um poema. Ao final de “The gentle art of making enemies”, o poeta e educador pernambucano Cacau Gomes voltou ao palco para ajudar o frontman a recitar o poema, que começou com a frase ”os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”, de Eça de Queiroz.

 

This entry was posted in Notícias FESTIVAL and tagged , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.